Pelo menos dez pessoas morreram e mais de outras dez foram retiradas quando um incêndio deflagrou hoje num hospital público para doentes com coronavírus na Índia ocidental, foi hoje anunciado.

"Dez pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida num incêndio que deflagrou na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Hospital Distrital de Ahmadnagar no estado ocidental de Maharashtra, informou em declarações à imprensa o ministro da região, Nawab Malik.

"É definitivamente um incidente muito grave" e será levada a cabo uma investigação, acrescentou Malik.

O incêndio foi alegadamente "causado por um curto-circuito" e "estavam 17 pacientes na ala covid-19" na altura do incidente que já foram transferidos para outra unidade de saúde, sublinhou por outro lado o magistrado local, Rajendra Bhosale, em declarações ao canal de notícias NDTV de Nova Deli.

O estado ocidental de Maharashtra relatou este ano outros dois incêndios em hospitais que tratam doentes com coronavírus: no primeiro, em 26 de março, pelo menos dez pessoas morreram e outras 70 foram retiradas quando as chamas eclodiram no Hospital Sunrise, localizado dentro das instalações de um centro comercial a oeste de Mumbai.

Um mês depois, em 23 de abril, 13 pessoas morreram num outro incêndio num hospital para doentes com coronavírus na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Hospital Vijay Vallabh na cidade costeira de Virar, perto da capital financeira indiana de Mumbai, quando o país se encontrava imerso numa segunda onda de coronavírus.

Na semana seguinte, pelo menos 15 pessoas morreram em outro incêndio no Hospital Wellfare, no estado ocidental de Gujarat, num novo golpe na luta da Índia contra a pandemia, numa altura de subida dos contágios.

O país regista agora os números mais baixos desde o início da pandemia, com quase 11.000 contágios e 392 mortes nas últimas 24 horas, mas o Ano Novo Hindu, conhecido como Diwali, ameaça aumentar as infeções depois das reuniões familiares e as multidões que se formam durante as tradicionais compras prévias a esta celebração.

/ MJC