“O Boko Haram continua a ter em funcionamento células adormecidas cuja missão é vigiar e realizar novos ataques” na capital e seus arredores, refere um comunicado dos serviços do Departamento de Estado.