A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou esta sexta-feira que aprovou para uso de emergência a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinopharm.

O anúncio foi feito pelo diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que anunciou assim a aprovação para uso de emergência vacina contra a covid-19, a primeira fabricada pela China, depois de serem confirmados os padrões de "segurança, eficácia e qualidade".

Trata-se da sexta vacina aprovada com uso de emergência pela OMS, depois dos produtos da Pfizer, da Moderna, da Johnson & Johnson e de dois tipos de vacinas da AstraZeneca.

A vacina da Sinopharm torna-se assim na primeira vacina não ocidental a receber aprovação da OMS, sendo que é esperada para breve a avaliação da vacina da Sinovac, também chinesa.

A aprovação faz com que esta vacina possa ser incluída no programa Covax, que se destina a ajudar os países mais pobres na vacinação contra a doença. Apesar da aprovação só ter surgido agora, muitos países já administravam a vacina da Sinopharm anteriormente, como são os casos da Macedónia do Norte e das Filipinas, onde o presidente foi vacinado com aquele produto.

O anúncio foi feito na videoconferência de imprensa regular da OMS sobre a pandemia da covid-19, transmitida da sede da organização, em Genebra, na Suíça.

A vacina produzida pela farmacêutica chinesa Sinopharm é recomendada a pessoas com mais de 18 anos, devendo ser administrada em duas doses com um intervalo de duas a três semanas.

António Guimarães