Ruínas da Roma Antiga, da Idade Média, palácios renascentistas e igrejas barrocas, além de exemplos de estilos artísticos do século XIX e XX –  de facto, tudo isto pode ser encontrado no centro histórico da cidade de Roma.

Também dentro desta cidade existe, na verdade, um país: o Vaticano. É o menor do mundo e a sua independência em relação a Itália foi declarada em 1929. A cidade-estado não dispensa a visita à Praça de São Pedro, que, antes da pandemia de covid-19, poderia albergar 300 mil pessoas.

Já os Museus do Vaticano reúnem a maior coleção de arte da Igreja Católica, onde se inclui a célebre Capela Sistina. 

Porém, pode dizer-se que o Coliseu é o principal monumento da capital italiana e, além disso, é uma das Sete Maravilhas do Mundo. Anualmente, costuma receber cerca de 6 milhões de visitantes. 

 Coliseu de Roma                                                                 Foto Associated Press

A alcachofra é, sem dúvida, um ingrediente que integra a gastronomia da cidade e pode ser comprada nos mercados tradicionais, feiras e supermercados. Os pratos típicos de Roma são conhecidos por “piatti poveri”, ou seja, pratos pobres, porque, quando contém carne, esta provém de partes menos nobres do animal. Exemplo disso é a pajata, um molho feito com intestino de bezerro ou de cabrito que ainda não foi desmamado. Ainda assim, é claro que nos podemos deliciar com um célebre gelato ou com uma pizza.

No Estádio Olímpico de Roma, as partidas do Euro 2020 que se vão disputar, no mês de junho, são as seguintes: Turquia - Itália (21h00, hora local) no dia 11, Itália - Suíça (21h00, hora local) no dia 16 e Itália - País de Gales (18h00, hora local) no dia 16. 

O Olímpico de Roma foi construído em 1937 e perente à AS Roma e à rival Lazio.