Donald Tusk vai continuar a presidir ao Conselho Europeu. Os líderes europeus votaram esta quinta-feira, em Bruxelas, e reelegeram o antigo primeiro-ministro polaco para um segundo mandato.

Dos 28 estados-membros da União Europeia (UE), apenas a Polónia, país de origem de Tusk, votou contra.

Tusk já agradeceu a confiança dos líderes, no Twitter, e assinalou que vai dar o seu melhor para "tornar a UE melhor". 

A oposição a Tusk veio do seu próprio país. A primeira-ministra da Polónia, a conservadora Beata Szydlo, do Partido Lei e Justiça, apelou a vários líderes europeus para não votarem em Tusk, do partido Plataforma Cívica.

O governo polaco acusou o antigo primeiro-ministro polaco de interferir nas políticas domésticas de Varsóvia e chegou mesmo a apresentar o eurodeputado Jacek Saryusz-Wolski, do mesmo partido que Tusk, como candidato alternativo.

Mas a maioria dos líderes europeus depressa fez saber que queria manter Tusk na chefia do Conselho Europeu e a Polónia acabou isolada nesta votação.