A Comissão de Debates Presidenciais dos Estados Unidos cancelou, esta sexta-feira, o segundo debate entre Donald Trump e Joe Biden, depois do candidato republicano ter recusado um debate virtual, avançou a CNN.

Este cancelamento, que é o culminar das negociações feitas durante os últimos dois dias entre as duas campanhas, pode significar que aquele que seria o terceiro debate, marcado para dia 22 de outubro em Nashville, no Texas, será o último encontro entre os dois candidatos antes das eleições de 3 de novembro.

A incerteza em relação à realização deste debate, que seria em Miami, na Florida, já existia desde que Trump revelou estar infetado com covid-19, na semana passada, 48 horas depois do debate com Joe Biden em Cleveland.

A comissão eleitoral ponderou, entretanto, a realização de um debate online entre os dois candidatos à Casa Branca durante o próximo mandato. Contudo, Trump recusou categoricamente este formato.

NÃO VOU PERDER O MEU TEMPO NUM DEBATE VIRTUAL", disse na Fox Business, acrescentando que a comissão independente que organiza os debates "está a tentar proteger Joe Biden". 

O presidente dos Estados Unidos e recandidato ao cargo insistiu esta quinta-feira que está pronto para retomar a campanha e que se sente “perfeito”, apesar de ainda persistirem dúvidas sobre a recuperação do chefe de estado da infeção por covid-19.

Trump planeia comício para centenas de pessoas no exterior da Casa Branca

Donald Trump está a planear um comício no sábado, onde irá discursar perante centenas de pessoas no exterior da Casa Branca, avança a agência Reuters.

Este será o primeiro evento em que Trump participará desde que anunciou estar infetado com covid-19.

Um funcionário da Casa Branca adiantou à mesma agência que o candidato republicano pretende fazer um discurso sobre o tema "lei e ordem" a partir de uma das varandas do edifício. A imprensa norte-americana refere ainda que a multidão poderá contar com centenas de pessoas, sendo que todas devem usar máscara.

A iniciativa está a ser recebida com críticas por parte de pessoas dentro e fora da Casa Branca, que acusam Donald Trump de irresponsabilidade por promover ajuntamentos em tempos de pandemia, escreve o The New York Times.

Rafaela Laja