Israel atacou a noite passada alvos do grupo islâmico Hamas em Gaza, após o lançamento de foguetes e balões incendiários a partir do enclave, anunciou o exército esta segunda-feira.

Ao amanhecer, tanques israelitas "atacaram postos militares" do Hamas no sul da faixa de Gaza, em resposta ao lançamento de dois foguetes e de balões incendiários contra Israel, disse o exército em comunicado.

Pouco depois, os alarmes de raides aéreos voltaram a soar nas cidades israelitas próximas do enclave, devido ao lançamento de mais três foguetes.

Um dos projéteis "foi provavelmente intercetado" pelo sistema antimíssil "Iron Dome" (Cúpula de Ferro), disse um porta-voz militar em comunicado.

Os ataques a partir de Gaza levaram, esta segunda-feira, ao encerramento da passagem de Erez, informou o COGAT, organismo militar israelita que gere os assuntos civis em território palestiniano.

A passagem foi encerrada "imediatamente e até novo aviso", e só pode ser utilizada "em casos humanitários e excecionais", disse a agência em comunicado.

A tensão agravou-se nos últimos dias em Jerusalém e na região, após o aumento de confrontos entre palestinianos e a polícia israelita na Cidade Santa.

Na sexta-feira, mais de 200 pessoas ficaram feridas em confrontos entre a polícia israelita e palestinianos, na Esplanada das Mesquitas, terceiro local mais sagrado do Islão, também chamado o Monte do Templo pelos judeus.

Os quatro membros do Quarteto do Médio Oriente (ONU, UE, Estados Unidos e Rússia) manifestaram, no sábado, "profunda preocupação" perante os confrontos em Jerusalém e pediram contenção às autoridades israelitas.

Também a Arábia Saudita, o Irão, a Tunísia, o Paquistão, a Turquia, a Jordânia e o Egito condenaram a atuação israelita.

Os confrontos entre a polícia israelita e palestinianos durante várias noites na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Oriental, são já considerados os maiores desde 2017, quando Israel decidiu colocar detetores de metais na entrada do local, para depois desistir da ideia.

Os palestinianos protestam há vários dias contra a possibilidade de várias famílias palestinianas virem a ser despejadas das suas casas em Jerusalém Oriental - numa área da cidade ocupada e anexada por Israel - em favor de colonos israelitas.

. / NM