“Muitos daqueles que estão a regressar estão desesperados sem comida. As pessoas estão doentes e não há hospitais, não há vegetais, bananas. Ainda falta muito para conseguiram voltar a cultivar e toda a maquinaria foi destruída ou levada”, disse o líder de uma comunidade cristã, Sini T-Kwagga.