A farmacêutica britânica AstraZeneca, que ultima uma vacina contra a covid-19 em parceria com a Universidade de Oxford, anunciou, nesta sexta-feira, que vai colaborar com a Rússia nos ensaios de uma vacina combinada.

A AstraZeneca vai, assim, começar a trabalhar com o instituto Gamaleya, que desenvolveu a vacina russa, a Sputnik-V, no sentido de aferirem se as suas vacinas podem ser combinadas.

Anunciamos um programa conjunto de ensaios clínicos para avaliar a segurança e imunogenicidade da combinação da ASD1222, desenvolvido pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, e a Sputnik-V, desenvolvida pelo instituto de pesquisa Gamaleya", revelou em comunicado a filial da AstraZeneca na Rússia.

A proposta terá partido dos cientistas russos do Gamaleya, o centro nacional de investigação de epidemiologia e microbiologia, que viram na combinação a possibilidade de aumentar a eficácia do tratamento, nomeadamente, a combinação de duas doses diferentes, uma de cada vacina.

Os criadores da primeira vacina russa dizem estar dispostos a partilhar a sua tecnologia com as empresas farmacêuticas internacionais Sanofi e GSK para as ajudar no processo de desenvolvimento da sua própria vacina.

Isto mostra a força da tecnologia da Sputnik-V e a nossa disposição e vontade de parceria com outras vacinas para combatermos juntos a covid-19", afirmaram as autoridades russas.

Veja também:

Catarina Machado