A forte explosão que aconteceu este sábado de manhã numa padaria no 9.º bairro de Paris, capital de França, provocou três mortos, dois dos quais bombeiros, segundo fontes oficiais citadas pela imprensa francesa. Há ainda 47 feridos.

Uma turista espanhola acabou por morrer já no hospital.

Entre os 47 feridos, dez têm ferimentos considerados graves.

O acidente ocorreu cerca das 09:00 da manhã em Paris (08:00 em Lisboa), com um incêndio seguido de uma forte explosão. As autoridades investigam uma fuga de gás na Rue de Trévise como a principal pista para explicar o sinistro.

O procurador de Paris, Rémi Heitz, disse que, nesta fase, as autoridades acreditam que a explosão teve “obviamente uma origem acidental, uma fuga de gás".

A explosão destruiu montras das redondezas e vidros de janelas de habitações.

Fonte oficial da secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse à Lusa que o Consulado de Paris está a monitorizar a situação e não há, até ao momento, informação de portugueses entre as vítimas.

O procurador de Paris, Rémi Heitz, disse também no local que, nesta fase, as autoridades acreditam que a explosão teve “obviamente uma origem acidental, uma fuga de gás".

A explosão aconteceu ao início de mais um dia de protestos em Paris do chamado movimento dos coletes amarelos.

Em toda a França foram mobilizados cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança.

Este é o nono sábado de mobilização contra o aumento dos combustíveis, por uma taxação mais justa e contra a queda do poder de compra.

A emblemática torre Eiffel foi fechada, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.