O piloto Paulo Gonçalves morreu este domingo depois de uma queda ao quilómetro 276, durante a 7.ª etapa da prova especial do Dakar 2020 , avança um comunicado da competição.

O motociclista de 40 anos, ao comando da mota número oito, foi encontrado tombado. O alerta foi transmitido por volta das 10:00 horas (hora local), tendo sido ativado o helicóptero médico. 

 

 

Ao chegar ao local do acidente, a equipa médica encontrou o português incosciente e em paragem cardiorrespiratória.

No sábado, o piloto publicou no Instagram um resumo da etapa.

 

Era a 13.ª prova de Gonçalves que começou a competir no Dakar em 2006. O piloto já tinha conseguido deixar a sua marca na prova, tendo alcançado o top 10 da classificação quatro vezes. Em 2015 chegou ao 2.º lugar.

O motociclista natural de Esposende foi levado para o Layla Hospital, local onde foi declarado o óbito.

Toda a comitiva do Dakar gostava de expressar as suas sinceras condolências à sua família e amigos", afirma o comunicado.

 

O piloto português Miguel Oliveira reagiu com tristeza à notícia da morte de Paulo Gonçalves.

Paulo, deixaste uma marca profunda na vida de quem teve o privilégio de se cruzar contigo. A tua coragem e valentia são exemplo para todos nós", disse Oliveira.

 

 

Também o piloto de Fórmula E, António Félix da Costa usou o Facebook para expressar as suas condolências pela morte do motard.

Descansa em paz guerreiro Paulo. O desporto e Portugal ficam hoje bem mais pobres. Eras, és e serás sempre um Grande", escreveu.

 

Marcelo Rebelo de Sousa, em comunicado, lamentou a morte do motociclista, afirmando que o piloto português "morreu a tentar alcançar o sonho de vencer uma das mais duras e perigosas provas de rally do mundo".

Paulo Gonçalves "foi sempre um digníssimo representante de Portugal", afirma o Presidente da República.

A HERO, marca patrocinadora de Paulo Gonçalves juntou num vídeo vários momentos heróicos do piloto português.