Um homem armado com uma faca fez pelo menos um morto e quatro feridos, dois dos quais em estado grave, este sábado, em Paris, de acordo com números avançados pela polícia. Um dos mortos terá sido vítima do atacante e o outro será o próprio suspeito. O homem terá atacado várias pessoas, nas proximidades da Opéra Garnier. 

O diretor do gabinete da Prefeitura da Policia de Paris, que está no local, já falou à imprensa:

Um indivíduo agrediu cinco pessoas esta noite, um pouco depois das 21:00, no segundo bairro de Paris, junto à rua Monsigny. A Polícia interveio imediatamente, respondeu e o indivíduo foi abatido. Uma outra pessoa, agredida pelo indivíduo acabou por morrer, na sequência dos ferimentos. Duas outras pessoas estão gravemente feridas e foram transferidas para o Hospital Georges Pompidou. Duas outras pessoas ficaram feridas de forma ligeira. A Procuradoria de Paris encarregou a brigada criminal da investigação, para esclarecer as circunstâncias desta agressão mortal.”

 

A polícia terá tentado conter o atacante com uma arma atordoadora, mas acabou por ter de o abater. 

Testemunhas citadas pelos meios de comunicação locais falam de pânico e descrevem que as pessoas que estavam nas ruas se começaram a refugiar nos restaurantes. 

Os motivos do ataque ainda não são claros, mas a polícia não exclui a hipótese de terrorismo. O procurador de Paris, François Molins, de acordo com o Le Monde, deslocou-se ao local. A brigada criminal da Polícia de Paris está encarregue da investigação.

De acordo com a rádio Europe 1, o agressor gritou “Allah Akbar” (“Alá é grande”) ao esfaquear os transeuntes, antes de ser duas vezes baleado por um agente policial.

No Twitter, o ministro do interior, Gérard Collomb, já reagiu, saudando o "sangue frio e a capacidade de reação das forças de autoridade". Mas Gérard Collomb sublinha "que os seus primeiros pensamentos estão com as vítimas deste ato odioso". 

 
Manuela Micael / Atualizada às 23:13