O número de vítimas mortais causado pelo tufão Lekima, no leste da China, subiu para 44, informou hoje a imprensa estatal chinesa, enquanto as equipas de resgate continuam a procurar pelo menos 16 pessoas.

O nono e mais forte tufão do ano afetou 6,68 milhões de habitantes na província de Zhejiang, leste da China, entre os quais 1,26 milhão tiveram de ser retirados.

As chuvas torrenciais e ventos fortes danificaram 234.000 hectares de plantações, causando danos económicos diretos de 24 mil milhões de yuans (3 mil milhões de euros).

O Lekima atingiu na madrugada de sábado a cidade de Wenling, em Zhejiang, e no mesmo dia, à noite, chegou a Qingdao, na província de Shandong.

Em Shandong, cinco pessoas morreram e sete desapareceram, enquanto 1,66 milhão foram afetadas, entre as quais 183.800 tiveram de ser realocadas, informaram as autoridades.

Na sexta-feira, a China emitiu um alerta máximo para as áreas costeiras da província de Zhejiang, dada a previsão de ventos e chuvas fortes.

O alerta vermelho, emitido pela China, é o mais alto do sistema de alertas, de quatro níveis, levando as autoridades a preparar evacuações, suspender ligações ferroviárias, viagens aéreas e a exigir o regresso de embarcações aos portos.