O presidente dos Estados Unidos anunciou esta terça-feira que vai suspender o financiamento à Organização Mundial de Saúde, enquanto decorre uma investigação à forma como o organismo das Nações Unidas encobriu a propagação do novo coronavírus.

A Organização Mundial da Saúde falhou no seu dever básico e deve ser responsabilizada", disse Trump, em conferência de imprensa na Casa Branca.

Donald Trump acusou a OMS de promover a "desinformação" chinesa sobre o novo coronavírus, o que terá levado a que o número de contágios de Covid-19 em todo o mundo fosse superior.

O presidente dos EUA referiu ainda que, em dezembro, já havia informção "credível" sobre transmissão entre humanos do novo coronavírus e que a OMS não soube responder de forma adequada.

Tantas mortes foram causadas pelos erros deles", sublinhou.

 

Outras nações e regiões que seguiram as orientações da OMS e mantiveram as fronteiras abertas à China aceleraram a pandemia em todo o mundo", disse Donald Trump aos jornalistas.

Apesar da tomada de posição contra a China, a 24 de janeiro Donald Trump escreveu no Twitter um agradecimento ao presidente Xi Jinping pelos esforços na contenção do novo coronavírus.

A China tem trabalhado muito para conter o coronavírus. Os Estados Unidos agradecem o esforço e a transparência. Vai correr tudo bem. Em particular, em nome do povo americano, quero agradecer ao presidente Xi", lê-se na publicação do presidente norte-americano, feita dias depois de China e EUA terem assinado um acordo comercial. 

 

"Não fomos tratados da forma adequada" pela OMS", disse Trump. 

Os EUA, recorde-se, são neste momento o maior financiador da Organização Mundial da Saúde. 

Sobre o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, Trump disse ainda: "Não conheço o senhor, mas sei que houve problemas".

Trump já tinha vindo acusar a OMS, mais recentemente, de ser uma organização "pró-China"

Na semana passada, o presidente dos EUA criticou a OMS acusando a organização de "estragar tudo" e de estar "muito centrada na China", apesar de ser maioritariamente financiada pelos Estados Unidos, sugerindo já que ia avaliar uma tomada de posição. 

Vamos olhar com atenção para isso”, disse então.

 

Em conferência de imprensa, Donald Trump revelou ainda que os planos para a "reabertura" dos EUA estão a ser finalizados e que as medidas de contenção podem ser aliviadas ainda antes do dia 1 de maio. 

Vou falar com os 50 governadores em breve e irei autorizar cada um deles a implementar um plano", explicou, garantindo que irá dar liberdade para que cada um decida a melhor forma e período para retirar restrições. "O governo federal vai monitorizá-los de perto. Vamos responsabilizar os governadores, mas trabalharemos com eles para garantir que tudo corre bem", afirmou. 

Bárbara Cruz