As Forças Armadas venezuelanas cercaram, esta terça-feira, o edifício da Assembleia Nacional, em Caracas. O anúncio foi feito pelo presidente interino, Juan Gauidó, através do Twitter.

Tentam sequestrar o Poder Legislativo enquanto o ditador permanece sozinho, num palácio onde não devia estar, suspeitando de todos ao seu redor. Hoje volta a demonstrar o seu medo da legitimidade da Assembleia Nacional", escreveu Guaidó.

 

Também através do Twitter, vários deputados afirmam que os agentes lhes barraram o acesso ao edifício. 

 

Segundo a imprensa venezuelana, os militares e vários agentes dos serviços secretos da Venezuela, denonimados SEBIN, chegaram ao local por volta das 06:30, alegando que havia um engenho explosivo nas instalações. 

As autoridades proibiram a entrada de deputados e trabalhadores, no dia em que estava marcada uma sessão parlamentar para debater a perseguição feita pelo regime aos deputados que estão contra o Governo de Nicolas Maduro.

A imprensa venezuelana avança ainda que os agentes dos serviços secretos revistaram o gabinete de Juan Guaidó.

Os deputados já decidiram que a sessão parlamentar desta terça-feira se vai realizar num local alternativo. 

Não vamos deixar de legislar, porque existe este tipo de ameaça. Vamos fazer a nossa sessão. Todos os deputados estão em Caracas, por isso, haverá sessão da Assembleia Nacional", disse o deputado Luis Stefanelli, citado pelo jornal El Nacional.