Espanha antecipou para 21 de junho a abertura de fronteiras com todos os países do Espaço Schengen, mas manteve para 1 de julho a previsão de reabertura com Portugal, anunciou hoje o presidente do Governo espanhol Pedro Sánchez.

De acordo com a agência EFE, a revelação foi feita durante a décima quarta e última reunião de videoconferência mantida durante o estado de emergência entre o líder do Governo espanhol e os presidentes das regiões autónomas do país, na qual Sánchez confirmou também a cerimónia prevista para 01 de julho, na reabertura de fronteiras com Portugal.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o rei Felipe VI, e os primeiros-ministros português, António Costa, e espanhol, Pedro Sánchez, vão estar juntos na reabertura das fronteiras entre Portugal e Espanha, dia 1 de julho, confirmou uma fonte da Presidência da República, no sábado, à Lusa, após a notícia ser avançada pelo Expresso.

 A cerimónia terá lugar entre Caia e Badajoz, estando previsto que as comitivas portuguesa e espanhola se encontrem na fronteira e a cruzem para o lado de Espanha, para uma receção, e em seguida passem para o lado de Portugal, para um almoço, adiantou a mesma fonte.

 Devido à pandemia de covid-19, as fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha foram encerradas às 23:00 do dia 16 de março (00:00 de dia 17 em Espanha), com nove pontos de passagem exclusivamente destinados ao transporte de mercadorias e a trabalhadores que tenham que se deslocar por razões profissionais, em termos definidos em conjunto pelos dois países.

 O Governo de Espanha começou por anunciar a reabertura das fronteiras com Portugal para o dia 22 de junho, anúncio a que o Governo português reagiu com surpresa, tendo sido depois acertado o dia 01 de julho.

 A pandemia de covid-19 já provocou mais de 427 mil mortos e infetou mais de 7,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

 Em Portugal morreram 1.512 pessoas das 36.463 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

/ (Notícia corrigida pela Lusa após correção da agência EFE com data certa às 11:17) Publicada por ALM