O suspeito do ataque com arco e flechas na Noruega, em que morreram cinco pessoas, converteu-se ao Islão e pode ter-se radicalizado, indicou a polícia, em conferência de imprensa, nesta quinta-feira.

O cidadão dinamarquês, de 37 anos, encontra-se detido e já admitiu os crimes de que é acusado, embora não tenha assumido as suas motivações.

O suspeito estava sinalizado pelas autoridades desde 2020.

Havia preocupações de que se tivesse radicalizado", admitiu o chefe da polícia Ole B. Saeverud.

As vítimas mortais do ataque são quatro mulheres e um homem, com idades entre os 50 e os 70 anos, indicou, ainda, a polícia. Há ainda dois feridos graves.

A polícia norueguesa decidiu avançar com a identificação do suspeito, devido a rumores que circulavam nas redes sociais sobre pessoas que não tinham qualquer ligação ao ataque.

As autoridades acreditam, ainda, que o suspeito agiu sozinho, não tendo excluída a possibilidade de tratar-se de um ato terrorista.

O ataque ocorreu ao final da tarde de quarta-feira em vários pontos da cidade de Kongsberg, a 68 quilómetros da capital Oslo e onde vivem cerca de 28.000 pessoas, incluindo o atacante. Durou mais de meia hora "numa área ampla", incluindo um supermercado, segundo a polícia.

Está, também, a ser investigado o uso de "outras armas" no ataque.

Após o ataque, a polícia ordenou os seus agentes que andassem armados, uma vez que aqueles, normalmente, não as usam em serviço.

Catarina Machado