A vacinação contra a covid-19 com recurso à vacina da AstraZeneca foi totalmente suspendida em Espanha. A decisão foi inicialmente avançada pela imprensa espanhola, sendo mais tarde confirmada pela ministra da Saúde, Carolina Darias.

Isto acontece no mesmo dia em que a diretora da Agência Espanhola do Medicamento, María Jesus Lamas, ter confirmado ao El País que já foi registado um caso de trombose no país.

Espanha segue assim os exemplos de Alemanha, França, Itália e Eslovénia, que também esta segunda-feira suspenderam toda a vacinação com o produto da farmacêutica britânica.

Esta suspensão vai durar pelo menos 15 dias, e surge na sequência de casos de formação de coágulos sanguíneos em alguns dos vacinados. Já foi registada uma morte na Áustria, duas em Itália e outra na Noruega, casos de pessoas que tinham sido vacinados com o produto da AstraZeneca.

Por volta da mesma hora em que se sabia que Espanha suspendia a vacinação, a União Europeia anunciava que os benefícios desta vacina ainda superam os riscos.

No mesmo sentido, a Organização Mundial de Saúde afirmou, em conferência de imprensa, que a vacinação com AstraZeneca deve continuar.

Mesmo assim, a Organização Mundial de Saúde, na vanguarda da luta internacional contra a pandemia, convocou para esta terça-feira o seu grupo de peritos em vacinação para estudar a segurança da vacina da AstraZeneca, anunciou esta agência da ONU (Nações Unidas).

A Agência Europeia do Medicamento também anunciou que vai realizar uma "reunião extraordinária" na quinta-feira depois de vários países terem suspendido o uso da vacina AstraZeneca, acrescentando que os benefícios da vacina ainda compensam os riscos.

São assim já dez os países europeus a suspender totalmente o uso desta vacina, depois da Dinamarca, Islândia, Noruega, Bulgária, Irlanda e Países Baixos, que haviam suspendido a vacinação anteriormente.

Em Portugal, a Direção-Geral de Saúde (DGS) e o Infarmed afirmaram no domingo que a vacina da AstraZeneca pode continuar a ser administrada e frisaram que não há provas da ligação com os casos tromboembólicos registados noutros países.

Num comunicado conjunto, a DGS e o Infarmed argumentaram que “o número de eventos tromboembólicos comunicados na população vacinada na UE (cerca de cinco milhões de doses) e no Reino Unido (cerca de 11 milhões de doses) continua a não ser superior ao verificado na população em geral”.

Covid-19: Eslovénia também suspende utilização da vacina da AstraZeneca

A Eslovénia suspendeu também, “por precaução”, as vacinas da AstraZeneca contra a covid-19, juntando-se a uma cada vez maior lista de países que tomaram a mesma medida por receios de efeitos secundários.

Tomei a decisão de suspender temporariamente” a utilização da vacina do laboratório anglo-sueco AstraZeneca e da Universidade de Oxford “para assegurar o mais alto nível de segurança possível aos concidadãos”, declarou o ministro da Saúde esloveno, Janez Poklukar, numa conferência de imprensa.

“Não existe uma razão médica que justifique esta interrupção, mas é uma medida preventiva numa altura em que se aguarda um parecer” da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), acrescentou.

António Guimarães