Um prédio residencial de sete andares desabou, na manhã desta terça-feira, no Bairro Dionísio Torres, em Fortaleza, no Brasil.

Pelo menos uma morte foi confirmada pelas autoridades locais e dez pessoas foram resgatadas com vida. Bombeiros estimam que entre 10 e 15 pessoas ainda estejam entre os escombros.

O edifício "Andréa" estava localizado a 3 quilômetros da Praia de Iracema, região turística de Fortaleza, a capital do estado de Ceará.

Vídeos publicados no Twitter mostram o momento em que o prédio desaba, enquanto uma nuvem de poeira se ergue no local.

 

 

Ainda não há informações sobre o número de pessoas que estavam no prédio no momento do acidente, mas fontes policiais informaram que há vítimas conscientes sob os escombros e que estão a comunicar com os bombeiros.

O desabamento ocorreu por volta das 10h30 da manhã.

Testemunhas disseram ao jornal Correio Braziliense que viram moradores a sair a correr de dentro do condomínio. Peões que estavam no local no momento da queda do edifício foram levados para clínicas e hospitais. 

Uma moradora do prédio de sete andares mostrou num vídeo a degradação dos pilares que sustentavam o edifício.

 

Mário Ferreira, um habitante da região que viu o desabamento, disse ao jornal G1 que estava em casa quando ouviu um barulho forte."Como se fosse uma batida de um camião, coisa do tipo. De seguida, ouvi um barulho desencadeado. Eu disse: não. Caiu alguma coisa. Desabou alguma coisa. Olhei pela janela e vi uma poeira muito forte e gente a correr".

A prefeitura de Fortaleza informou que já tem disponível um planto de contingência para atender as vítimas, assegurando que os médicos do do Instituto Dr. José Frota, no centro de Fortaleza, estão prontos a assistir os feridos, juntamente com outras três unidades de saúde: a UPA, a Frotinhas e a Gonzaguinhas.

 

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, foi ao local do acidente para acompanhar o desenvolvimento das operações de salvamento e pediu mais rapidez no resgate das vítimas.

 

O governador do estado do Ceará, Camilo Santana, reagiu nas redes sociais à queda do prédio de sete andares e assegurou que mobilizou "toda a força operacional dos Bombeiros, Samu, Polícia Militar, Defesa Civil e todos os órgãos do estado que possam auxiliar no socorro às vítimas".

Vizinhos e parentes dos moradores aproximaram-se do local do acidente à procura de informações.

Em abril deste ano, o colapso de dois edifícios numa área periférica do Rio de Janeiro provocou uma dúzia de mortos e expôs o problema de edifícios ilegais no Brasil.

As propriedades foram construídas irregularmente numa área de difícil acesso no bairro de Muzema, na parte oeste do Rio de Janeiro, e controladas por milícias (grupos formados por policias e ex-agentes da polícia).