Portugal já apoiou durante este ano a formação de duas companhias das Forças Especiais de Moçambique, mobilizando para aquele país africano um efetivo de 60 militares, divulgou esta sexta-feira o Ministério da Defesa Nacional (MDN).

Em causa está a formação da companhia de Fuzileiros Navais da Marinha de Guerra de Moçambique, em Katembe, que terminou em 10 de setembro e da companhia de Caçadores Especiais do Exército, em Chimoio, concluída esta sexta-feira.

A formação destas duas primeiras companhias de Forças Especiais das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) foi feita ao abrigo do denominado “Projeto 6” de Cooperação no Domínio da Defesa (CDD), dirigido à formação e capacitação das FADM para o combate ao terrorismo, explica o MDN, em comunicado.

A nota refere que para desenvolver o Projeto 6, que inicialmente previa o treino de 11 companhias de Forças Especiais ( Fuzileiros e Comandos), Portugal disponibilizou um efetivo de 60 militares em Moçambique, o triplo dos militares afetos aos restantes 5 Projetos de CDD e quadruplicou a presença de assessores portugueses no país.

Este reforço da cooperação bilateral ficou plasmado no novo Programa-Quadro para o período de 2021-2026, assinado pelos Ministros da Defesa de Portugal e de Moçambique, em maio de 2021”, explica a nota.

 

O projeto envolveu um investimento anual do MDN superior a três milhões de euros.

Concluído o treino destas duas primeiras companhias, a intervenção da assessoria militar portuguesa prosseguirá agora no quadro da Missão de Treino da União Europeia em Moçambique (EUTM - European Union Training Mission Mozambique), com outras valências e equipamentos, tendo o Conselho da União Europeia adotado, hoje, a decisão que lança formalmente aquela Missão”, conclui a nota.

/ BMA