A primeira-ministra britânica, Theresa May, pretende anunciar a sua demissão em junho, após a quarta tentativa para fazer passar o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), anunciou, esta quinta-feira, o presidente do grupo parlamentar, Graham Brady. O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, já disse publicamente que irá disputar a liderança do partido Conservador.

Num comunicado, Brady diz que May está determinada em garantir o 'Brexit' e focada em submeter a proposta de lei sobre o acordo de saída, a sua aprovação e a consequente saída do Reino Unido da UE durante o verão.

Ambos concordaram encontrar-se após a votação "para acordar um calendário para a eleição de um novo líder do Partido Conservador", independentemente do resultado da votação.

Theresa May reuniu, esta quinta-feira, em privado durante cerca de duas horas com o grupo parlamentar do partido Conservador. Nesta reunião terá sido pressionada para estabelecer a data em que pretende sair.

A líder conservadora já tinha anunciado a intenção de renunciar às funções antes do final do mandato, mas só depois de concluir o processo do ‘Brexit'.

De acordo com a BBC, Boris Johnson também anunciou a candidatura à liderança do partido Conservador esta quinta-feira, depois de ter sido questionado sobre esta, num evento em Manchester. A resposta foi simplesmente: “claro que vou”.

 

Boris Johnson é apenas o primeiro nome a confirmar que irá disputar com a atual primeira-ministra, Theresa May, a liderança do partido. Vários outros políticos dentro do Partido Conservador devem juntar-se à corrida. O vencedor irá tornar-se primeiro-ministro.

Boris Johnson foi uma das figuras principais do Brexit e defendeu, no referendo de 2016, a saída do Reino Unido da União Europeia.

Já no Executivo de May, o conservador acabou por demitir-se, justificando a decisão com a forma com o processo de Brexit estava a ser conduzido.