A estátua que foi descoberta no Cairo, Egito, esta semana não é, afinal, do faraó Ramsés II. O ministro das antiguidades do Egito, Khaled el-Anani, confirmou, esta quinta-feira, que a estátua deverá ser do faraó Psamético I.

O ministro explicou, em conferência de imprensa, que os especialistas estão convictos de que a estátua é de Psamético I, faraó que governou entre 664 e 610 A.C..

Inicialmente, pensava-se que a estátua era de Ramsés II, que governou 600 anos antes, porque foi encontrada perto das ruínas de um templo dedicado a este faraó. Mas, agora, os especialistas acreditam que se trata de Psamético I pois um dos cinco nomes deste faraó está gravado na estátua.

Ainda assim, o ministro das Antiguidades do Egito sublinhou a importância da descoberta.

“É a maior estatátua da Época Baixa do Antigo Egito que foi encontrada no país”, vincou Khaled el-Anani.

O nome de Psamético I foi encontrado depois de a estátua, com nove metros de altura, ter sido retirada do local onde foi encontrada e transportada para um museu no centro do Cairo.

Recorde-se que a descoberta foi realizada por uma equipa de arqueólogos do Egito e da Alemanha, na antiga cidade de Heliópolis, na parte leste da atual cidade do Cairo.