Pelos menos dois civis morreram na noite de terça-feira em ataques com ‘rockets’ em Tripoli, capital da Líbia, que está a ser alvo de uma ofensiva do marechal Khalifa Haftar, anunciou um porta-voz dos serviços de emergência.

Segundo Osama Ali, para além dos dois mortos, existem ainda quatro feridos a registar, segundo uma “avaliação ainda preliminar”.

Pelo menos sete explosões fortes abalaram a cidade, sendo a primeira vez que o centro da capital é afetado pelos combates, que costumam parar ao cair da noite.

Os disparos de ‘rockets’ ainda não foram reivindicados.

O último balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS) indica que pelo menos 174 pessoas morreram e 758 ficaram feridas desde o início da ofensiva.

A Líbia tem sido vítima do caos e da guerra civil, desde que, em 2011, a comunidade internacional contribuiu militarmente para a vitória dos distintos grupos rebeldes sobre a ditadura de Muammar Khadafi (entre 1969 e 2011).

Os combates opõem as forças do Governo de Acordo Nacional, reconhecido pela comunidade internacional, ao Exército Nacional Líbio proclamado pelo marechal Haftar, homem forte do leste líbio que quer ocupar a capital do país.

Haftar ordenou, numa mensagem à comunidade internacional, em 04 de abril, a conquista de Tripoli, onde se encontrava na altura o secretário-geral da ONU, António Guterres, no âmbito de uma visita ao país.

Os combates causaram mais de 18 mil deslocados, de acordo com as Nações Unidas.