A China diagnosticou 44 novos casos da covid-19, nas últimas 24 horas, incluindo 31 em Pequim, após um surto detetado no principal mercado abastecedor da capital.

Pequim aumentou o nível de emergência na terça-feira, visando conter a disseminação do surto, que somou 137 casos nos últimos seis dias.

Ao decretar o segundo nível de emergência, os comités de bairro voltarão a verificar a identidade e o estado de saúde dos residentes e a medir a temperatura à entrada.

Esse confinamento parcial implica a suspensão de todas as aulas presenciais no ensino básico, médio e superior, e a recomendação aos residentes que trabalhem a partir de casa, enquanto as comunidades em áreas de "alto risco", com casos confirmados, por exemplo, estão seladas e os moradores proibidos de se deslocarem.

Bibliotecas, museus e parques permanecem abertos, mas por tempo limitado e com capacidade não superior a 30% do limite.

As ligações aéreas a outras províncias foram suspensas e pessoas que residem em áreas de risco "médio-alto" ou funcionários e restante pessoal ligado ao mercado abastecedor estão proibidos de deixar Pequim.

Além dos 31 casos detetados em Pequim, a China registou outras duas infeções por transmissão local: uma na província de Hebei, adjacente a Pequim, e outra em Zhejiang, na costa leste do país.

Nas últimas 24 horas, o país diagnosticou ainda 11 casos oriundos do exterior nas províncias de Gansu e de Sichuan, no oeste e sudoeste do país, respetivamente.

A Comissão de Saúde da China não relatou novas mortes em todo o país.

O número de casos ativos fixou-se em 252, entre os quais sete em estado grave.

Macau anuncia quarentena obrigatória para quem chegue de Pequim

Macau anunciou hoje a imposição de quarentena obrigatória à entrada no território a quem nos últimos 14 dias tenha estado em Pequim, numa altura em que a capital chinesa regista um surto da covid-19.

“A partir das 12:00 horas (05:00 em Lisboa) do dia 17 de junho [hoje], todos os indivíduos que nos últimos 14 dias anteriores à entrada em Macau tenham estado em Pequim, serão sujeitos a uma observação médica por um período de 14 dias”, indicou o Governo de Macau.

“Os infratores podem estar sujeitos à medida de isolamento obrigatório, além da eventual responsabilidade criminal”, sublinharam as autoridades.

Mais de mil voos cancelados nos aeroportos de Pequim

Os dois aeroportos de Pequim cancelaram hoje, no conjunto, mais de mil ligações aéreas, depois de a capital chinesa ter somado 137 casos, nos últimos cinco dias, noticiou a imprensa estatal.

Segundo o jornal oficial em língua inglesa China Daily, um total de 1.255 voos de e para os aeroportos de Pequim foram anulados.

Na terça-feira, Pequim instou os seus 21 milhões de habitantes a evitar viagens "não essenciais" para fora da cidade e ordenou o encerramento das escolas de ensino básico, médio e superior.

Várias cidades e províncias passaram a impor quarentena a viajantes oriundos da capital chinesa.

. / AM