A Casa Real espanhola colocou esta segunda-feira um fim às dúvidas sobre o paradeiro do rei emérito Juan Carlos I. Através de um comunicado, o Palácio da Zarzuela confirma que o monarca está nos Emirados Árabes Unidos.

Juan Carlos indicou à Casa Real que comunicasse que no dia 3 de agosto se mudou para os Emirados Árabes Unidos, onde permanece até hoje", pode ler-se na nota, citada pelo El País.

A confirmação surge depois de várias notícias diferentes que davam conta que Juan Carlos estaria na República Dominicana, em Marrocos, na Suíça ou até em Portugal. A TVI sabe que a polícia portuguesa se preparou para receber o monarca em Cascais, hipótese que acabou por não se verificar.

Outra das hipóteses avançadas pela imprensa espanhola foi uma estadia em Azeitão, onde o monarca estaria com a família Brito e Cunha-Espírito Santo.

Os meios de comunicação espanhóis adiantam que Juan Carlos estará na cidade de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos.

El País avança que o rei emérito deixou o país no dia 3 de agosto, tendo apanhado um avião privado em Vigo, de onde se deslocou para Abu Dhabi. Aquela publicação avança ainda que o aluguer do avião terá custado cerca de 140 mil euros.

Juan Carlos deixou Espanha depois de ter publicado dirigida ao seu filho Felipe VI, na qual anunciou a sua decisão de se afastar do país para ajudá-lo a “exercer as suas responsabilidades”.

Na carta, Juan Carlos diz que pretende facilitar o exercício das funções de Felipe VI, pelo que deixará de viver no Palácio da Zarzuela e sai de Espanha, perante “a repercussão pública” de “certos eventos do passado”.

A decisão de Juan Carlos acontece quatro meses depois de Felipe VI ter privado o seu pai de uma subvenção pública de quase 200 mil euros anuais, enquanto renunciava a qualquer herança que pudesse corresponder às suas contas no estrangeiro.

Juan Carlos viu-se envolvido numa investigação judicial, desde o verão de 2018, quando agentes da polícia suíça foram enviados por um juiz para analisar as contas de uma empresa gestora de fundos alegadamente ilegais em paraísos fiscais, onde o rei emérito tem investimentos pessoais.

O antigo rei de Espanha não está a ser investigado, mas fontes judiciais suíças já disseram que pode vir a sê-lo num futuro próximo, embora a lei exija que apenas o departamento fiscal do Supremo Tribunal possa assumir o caso.

A investigação está na fase que pode determinar se há indícios suficientes para poder acusar Juan Carlos de ter cometido algum delito, desde que deixou o trono. Os seus advogados já disseram que o rei emérito continuará a colaborar com a justiça, apesar da decisão de deixar Espanha para viver noutro país.

António Guimarães / com Lusa