Os talibãs asseguraram esta terça-feira que não querem problemas com a comunidade internacional e que "ninguém foi magoado intencionalmente" durante a investida para recuperar o poder no Afeganistão.

Na primeira conferência de imprensa do movimento extremista, o porta-voz Zabihullah Mujahid citou o Alcorão e afirmou que os talibãs querem "viver pacificamente", "sem ressentimentos", "nem inimigos externos ou internos".

Não vamos permitir que ninguém seja magoado no nosso território", declarou, acrescentando que existe diferença entre o grupo agora e há vinte anos.

Para agora, a segurança do país é a prioridade do grupo islâmico, que afirma querer "que a luta acabe": "Este é um momento de orgulho para toda a nação".

Queremos garantir a segurança das embaixadas e organizações internacionais em Cabul. O nosso plano era parar às portas de Cabul depois de capturar o resto das áreas para que a transição fosse pacífica, mas, infelizmente, o Governo anterior foi incompetente. Não conseguiram fornecer segurança. Forneceremos segurança a todas as organizações estrangeiras agora. Não procuramos nenhum inimigo, seja dentro ou fora do Afeganistão. Perdoamos todos aqueles que lutaram contra nós. As animosidades chegaram ao fim". 

Talibãs prometem respeitar os direitos das mulheres

Na conferência de imprensa, os talibãs garantiram ainda que as mulheres têm direitos e que estes serão respeitados conforme a lei islâmica.

As nossas mulheres têm direitos e poderão beneficiar desses direitos. Têm o direito de participar na educação, na saúde e em outras áreas (...) Serão muito ativas na sociedade, mas dentro da estrutura do islamismo", disse o porta-voz.

Leia também:

Rafaela Laja