Uma comissão consultiva da agência reguladora dos EUA para os medicamentos e a alimentação (FDA, na sigla em Inglês) pronunciou-se esta sexta-feira contra a aplicação de uma terceira dose da vacina Pfizer para pessoas com 16 anos ou mais.

Esta opinião é considerada como um revés para o governo do presidente Joe Biden, depois de a Casa Branca ter anunciado a intenção de promover a vacinação de todos os cidadãos que tivessem recebido a sua segunda dose há oito meses, na condição de a FDA o aprovar.

Os técnicos daquela comissão estimaram que uma terceira dose poderia justificar-se para uma faixa etária mais restrita, a das pessoas idosas.

Numa votação posterior, a comissão pronunciou-se a favor de uma terceira dose da vacina Pfizer contra a covid-19 para pessoas com 65 anos ou mais, bem como para pessoas com alto risco de desenvolver uma forma grave da doença.

Esta dose de reforço é recomendada pelos especialistas norte-americanos a partir de seis meses após a segunda dose.

Os especialistas deliberaram ainda, após um dia de discussões, que os profissionais de saúde também deveriam ser incluídos entre essas pessoas de "alto risco".

A recomendação para esta terceira dose, enquadra-se no contexto de uma autorização de emergência, especificaram, segundo a AFP.

As recomendações da comissão não são vinculativas, mas muito raramente não são seguidas pela FDA.

Durante a votação, a maioria destes técnicos - investigadores, epidemiologistas, especialistas em doenças infecciosas - pronunciou-se contra uma campanha de vacinação para a população em geral, por 16 votos, contra apenas dois.  

Entre os seus argumentos estiveram as inquietações com os riscos de miocardite, uma inflamação do músculo cardíaco, entre os jovens adolescentes e adultos masculinos.

Não ficou claro, imediatamente após o voto, se os técnicos iriam votar de novo, neste caso sobre faixas etárias diferentes.

Agência Lusa / CE