Jacob Chansley, conhecido pelo "QAnon Shaman" foi condenado, esta quarta-feira, a 41 meses de prisão pelo envolvimento na invasão ao Capitólio norte-americano.

Segundo noticia a CNN, a justiça norte-americana tinha pedido uma pena agravada para Jacob Chansley como forma de dar o exemplo perante os rebeldes.

O ativista pró-Trump - que, com chifres de búfalo, foi um dos rostos do ataque ao Capitólio dos Estados Unidos em janeiro - "tornou-se um ícone" dos dias de caos que abalaram a democracia norte-americana, disse o juiz Royce Lamberth.

Jacob Chansley, agora condenado pela invasão ao Capitólio, a 6 de janeiro, estava na primeira fila de manifestantes pró-Trump, gritando palavras de ordem num megafone e referindo-se ao então vice-presidente Mike Pence como “um traidor”.

A imagem de Jacob Chansley com a face pintada com as cores da bandeira norte-americana, em tronco nu e a gritar foi um dos primeiros elementos marcantes a despontar do protesto.

O advogado, Albert Watkins, disse ainda que o seu cliente foi “terrivelmente apaixonado” por Donald Trump e acreditou, como outros manifestantes, que o antigo presidente republicano o convocou para aparecer no Capitólio, mas depois sentiu-se traído este ter-se recusado em conceder-lhe perdão pelo ataque.

Jacob Chansley está entre as cerca de 600 pessoas acusadas no motim que obrigou os congressistas a esconderem-se, quando estavam reunidos para certificar a vitória do colégio eleitoral do presidente eleito, Joe Biden.

Rafaela Laja