Um ataque lançado desde Gaza esta terça-feira matou duas pessoas e feriu várias outras no sul de Israel, levando as autoridades israelitas a voltarem a fechar um ponto de passagem para ajuda humanitária no território palestiniano.

A polícia israelita diz que dois trabalhadores tailandeses em Israel foram mortos em mais um ataque, esta terça-feira, que provocou ainda um ferido grave, um ferido moderado e três feridos ligeiros, numa região no sul de Israel.

Perante este cenário, Israel decidiu voltar a encerrar um ponto de passagem de ajuda humanitária para a Faixa de Gaza, em Kerem Shalom.

Decidimos impedir a entrada de novos camiões”, anunciou esta terça-feira uma fonte do Ministério da Defesa israelita, explicando que volta assim a ser encerrado um ponto de entrada de ajuda humanitária que tinha sido aberto “a pedido da comunidade internacional”.

A ONU já tinha saudado a abertura do posto de passagem de Kerem Shalom, que chegou a permitir, durante algumas horas, a entrada de ajuda humanitária em Gaza.

Saudamos a abertura, pelas autoridades israelitas, da passagem de Kerem Shalom, para ajuda humanitária essencial após nove dias de crise”, disse um porta-voz das Nações Unidas, ainda antes de ser conhecida a revogação da decisão por parte das autoridades israelitas.

Também esta terça-feira, palestinianos em Israel e nos territórios ocupados entraram em greve numa rara ação coletiva contra as políticas israelitas.

Com o conflito na Faixa de Gaza a intensificar-se e os esforços de paz estagnados, a greve geral e as manifestações aguardadas podem fazer escalar os confrontos em Israel e na Cisjordânia ocupada.

Os ataques aéreos de Israel demoliram um prédio de seis andares que abrigava bibliotecas e centros educacionais pertencentes à Universidade Islâmica, reduzindo-o a escombros.

Israel avisou os residentes do edifício com antecedência, levando-os a fugir durante a madrugada.

Israel insiste que tem como alvo combatentes do movimento islâmico xiita Hamas, os seus túneis e os pontos de lançamento de ‘rockets’.

Os confrontos entre as milícias palestinianas de Gaza e Israel prolongam-se há nove dias, sem que se verifiquem progressos no sentido de uma trégua.

A guerra já provocou a morte a mais de 200 pessoas na Faixa de Gaza e pelo menos 12 mortos em território israelita.

A tensão escalou no passado dia 10 de maio com o lançamento de ‘rockets’ das milícias palestinianas contra território de Israel que responde com ataques aéreos de grande intensidade.

/ JGR