Uma cadeia de livrarias foi multada, na Hungria, por ter à venda uma história infantil sobre o dia-a-dia de uma criança, que tem os pais do mesmo sexo.

Segundo a Reuters, o município de Pest multou a cadeia de livrarias “Líra Könyv” em 250 mil forints, cerca de 600 euros, por não indicar que vendia um livro com "uma família diferente de uma família normal".

O livro ilustrado “Micsoda család!” (O que é uma família), da autoria do norte-americano Lawrence Schimel, é composto por duas histórias: "Early One Morning", que mostra a manhã de um jovem com as suas duas mães, e "Bedtime, Not Playtime!", que mostra a rotina da noite de uma criança com os seus pais.

Richard Tarnai, comissário na região de Pest, explicou à estação de televisão Hír TV, que a livraria foi multada por violar as regras das práticas comerciais desleais, ao não indicar claramente que o livro continha "conteúdo que se desvia da norma".

O livro estava lá entre os outros livros de contos de fadas, cometendo assim uma infração. Não havia forma de saber que aquele livro era sobre uma família diferente do normal", expressou Richard.

O autor do livro “Micsoda család!” disse, ao jornal The Guardian, que a sua intenção era: "celebrar as famílias queer, pôr mais alegria queer no mundo e mostrar que essas famílias não sofrem apenas homofobia, também se divertem".

O governo húngaro está a tentar normalizar o ódio e o preconceito com este ataque ao meu livro", escreveu o autor, na rede social Twitter.

A livraria Líra Könyv vai colocar uma placa a avisar os seus clientes que vende "livros com conteúdos diferentes dos tradicionais".

As famílias arco-íris são completamente normais e até agora não tinham um livro com as suas histórias. Foi por isso que achámos importante publicar um livro de contos de fadas sobre elas e para elas", disse o distribuidor húngaro do livro, Foundation for Rainbow Families, numa declaração.

Apesar dos acontecimentos na Hungria, Lawrence Schimel diz estar “ainda mais determinado para continuar a escrever livros como estes".

Esta multa vem numa altura em que a Hungria proibiu os conteúdos LGBT de aparecerem nos materiais educativos ou nos programas de televisão para os menores de 18 anos. Esta lei já foi condenada como "inaceitável" pela Associação de Editores e Livreiros Húngaros por "restringir a liberdade das artes e do discurso".

Na quinta-feira, o parlamento europeu aprovou por larga maioria uma resolução a condenar a nova lei anti-LGBT húngara, que proíbe referências à homossexualidade na televisão e nas escolas.

Redação / IC