O órgão anticorrupção do Conselho da Europa afirmou esta terça-feira que a Rússia tem de fazer “progressos concretos” na luta contra a corrupção dos deputados, juízes e procuradores, lembrando que ainda não foram adotadas todas as suas recomendações.

A Rússia executou várias recomendações sobre a prevenção da corrupção de deputados, juízes e procuradores” formuladas pelo Grupo de Estados contra a Corrupção (Greco), “mas são necessários mais progressos”, sublinha este órgão num relatório publicado hoje, após a quarta avaliação a este processo.

Segundo o Greco, “a Federação russa implementou ou tratou de maneira satisfatória nove das 22 recomendações”, executou outras nove parcialmente, mas não avançou nada em outras quatro.

O grupo apela para que Moscovo faça mais “progressos concretos para atingir um nível aceitável de execução das recomendações nos próximos 18 meses”, refere.

A transparência do processo legislativo tem de ser reforçada e as consultas públicas sobre os projetos de lei devem ser a regra e não uma exceção”, sublinha o relatório.

O órgão anticorrupção também lamenta, entre muitos outros pontos, que o poder executivo russo mantenha “o controlo sobre as declarações de bens dos deputados” e considera a situação “preocupante em termos de separação de poderes”.

O Greco reúne 47 Estados-membros do Conselho da Europa, os Estados Unidos, a Bielorrússia e o Cazaquistão e foi criado em 1999 para melhorar a capacidade dos seus membros de combater a corrupção.

/ AG