Não é todos os dias que se faz 90 anos, muitos nem lá chegam, mas quem goza de boa saúde como o Mickey Mouse tem uma longevidade tal que faz crer na imortalidade. O rato mais famoso do mundo celebra este domingo, 18 de novembro, nove décadas. 

Acarinhado por gerações atrás de gerações, muitos não saberão que a primeira aparição de Mickey foi numa curta de oito minutos, "Steamboat Willie", de 1928. A sua namorada Minnie Mouse também aparece pela primeira vez nesta curta. 

Com o par de orelhas mais iconográfico da animação mundial, a carismática personagem de animação chegou a chamar-se Mortimer Mouse. Foi imaginada por Walt Disney, mas quem lhe definiu os traços que fazem parte do imaginário de toda a gente, em todo o mundo, foi o desenhador norte-americano Ub Iwerks.

Comemorações à altura

Os festejos destes 90 anos fazem-se no digital - o site da Disney está repleto de imagens, vídeos e retrospetivas -, mas também incluem uma exposição em Nova Iorque, com uma retrospetiva de vida, em 15 salas num prédio de West Side. 

A mostra é didática, mas não é para todos os bolsos. Paga-se 38 dólares (cerca de 33,5 euros) para entrar. As crianças com menos de três anos não pagam.

Um dos 26 óscares recebidos pela Disney está na primeira sala desta exposição, onde se pode ver, ainda, uma réplica do barco de "Steamboat Willie".

Uma fonte de inspiração

Na história do cinema de animação e da banda desenhada foram criadas outras personagens inspiradas em ratos, como Jerry, Mighty Mouse, Speedy Gonzalez, Stuart Little e o mais recente «chef» de Ratatui.

No entanto Mickey é o mais famoso de todos, é considerado a personificação da Disney como máquina de magia e fantasia, a referência numa extensa galeria de personagens de animação.

Entre as mais conhecidas aparições contam-se, por exemplo, «The band concert», com Mickey a conduzir uma orquestra durante um furacão ou o clássico «Fantasia», em que interpreta um aprendiz de feiticeiro.

 

Em 1930, dois anos depois da projecção dos primeiros filmes de animação, surgiram as tiras de banda desenhada na imprensa, novamente com desenhos de Iwerks e mais tarde de Floyd Gottfredson, aquele que definiria os traços e a personalidade de Mickey.

Inicialmente, o rato bebia e fumava, mas com a popularidade que ganhou Walt Disney acabou por torná-lo politicamente correto logo nessa altura.

Mickey Mouse foi fotografado ao lado de praticamente todos os presidentes dos EUA desde Harry Truman (que foi presidente entre 1945-1953). 

Só chegou a Portugal em 1935

Em Portugal, as histórias do rato Mickey surgiram pela primeira vez a 21 de Novembro de 1935, numa revista intitulada «Mickey». Custava 1,50 escudos e durou até finais de 1936. Nela vinham publicadas as tiras dos jornais norte-americanos, com um desfasamento temporal de alguns meses.

Nos anos 1950 surgiu uma nova publicação - «Rato Mickey» - editada pela Agência Portuguesa de Revistas. A verdadeira massificação só ocorreu nos anos 1980 através das revistas da Disney provenientes do Brasil.

Ao longo dos anos, a sua popularidade tem sido alimentada por conta de uma gigantesca máquina de divulgação nos mais diferente canais, seja pela televisão, pela Internet, em plataformas como o YouTube, e também através da venda de produtos, sem esquecer, claro a magia dos parques temáticos espalhados pelo mundo.

Só no ano passado, mais de 150 milhões de pessoas visitaram os complexos da Disney e Mickey, claro, é das, ou mesmo a principal atração. 

Parabéns velho, estás no imaginário de todos. Para o ano há mais brindes a fazer.