Uma avalanche atingiu esta quarta-feira à noite um hotel na província italiana de Pescara, onde estavam mais de 30 pessoas. As equipas de resgate, citadas pela agência italiana ANSA, falam em "muitos mortos".

O Hotel Rigopiano, na base da montanha de Gran Sasso, em Farindola, foi atingido por uma avalanche na quarta-feira à noite, depois de vários sismos de magnitude superior a 5 graus na escala de Richter terem sacudido o país no espaço de uma hora.

Parte do edifício colapsou e a outra parte ficou soterrada pela neve. Pelo menos 20 clientes estavam hospedados no hotel. Contando também com os funcionários, as autoridades acreditam que estavam mais de 30 pessoas no Rigopiano.

Antonio Crocetta, um dos responsáveis das equipas de resgate afirmou à agência ANSA que “há muitos mortos”.

Pelo menos duas pessoas, que estavam no exterior do hotel, foram resgatadas com vida.

Para o local, foram mobilizados 20 bombeiros, equipas de busca e salvamento em montanha e seis ambulâncias.

Os órgãos de comunicação italianos, citando fonte das equipas de socorro, indicam que a primeira vítima mortal retirada do interior do hotel é um homem e que os elementos dos grupos de resgate continuam a escavar a neve na busca de mais vítimas, em condições "muito difíceis".

As buscas no local continuam, ainda que a esperança de encontrar sobreviventes seja diminuta. Até às 15:43, a imprensa italiana escreve que foram recuperados três corpos e um quarto já foi localizado.  

A região do centro de Itália foi abalada por vários sismos na quarta-feira e, nos últimos dias, tem sido atingida pelo mau tempo, com fortes ventos e nevões.

A estância de ski na montanha de Gran Sasso encontra-se a cerca de 1.300 metros de altitude, o que dificulta os trabalhos das equipas de resgate.

Entretanto, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reagiu à notícia, afirmando que a União Europeia está pronta para mobilizar todos os meios ao seu dispor para ajudar as autoridades italianas.

“Em nome de toda a Comissão Europeia, reitero a nossa solidariedade para com o povo e as autoridades italianas. Faremos tudo o que pudermos para ajudar neste momento difícil. A UE não deixará a Itália enfrentar sozinha esta tragédia.”

Afirmando que “a UE está pronta a mobilizar todos os instrumentos ao seu dispor”, Juncker anunciou que já pediu ao comissário responsável pela Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, “para estar em permanente contacto com as autoridades nacionais, para mobilizar qualquer apoio que seja solicitado”.

Veja imagens do hotel antes e depois da avalanche: