O escritor catalão Carlos Ruiz Zafón morreu aos 55 anos vítima de cancro, avança o El Mundo. O autor de obras como "A Sombra do Vento" morreu depois de dois anos de luta contra o cancro, na cidade de Los Angeles.

O óbito foi entretanto confirmado na conta oficial de Twitter do autor.

Ruiz Záfon, que é o escritor espanhol mais lido em todo o mundo, teve com "A Sombra do Vento" o primeiro best-seller espanhol da sua geração. O romance, que está traduzido em mais de 40 línguas, foi o primeiro de uma tetralogia chamada "O Cemitério dos Livros Esquecidos". 

Hoje é um dia muito triste para toda a equipa da Planeta que conheceu e trabalhou com ele durante 20 anos, nos quais se forjou uma amizade que transcende o profissional", refere um comunicado da editora que publicou a tetralogia. "Deixou-nos um dos melhores romancistas contemporâneos, mas continuará vivo entre nós através dos seus livros".

"A Sombra do Vento", obra que celebrizou Zafón, foi publicado em 2001. A este romance seguiram-se "O Jogo do Anjo", "O Prisioneiro do Céu" e "O Labirinto dos Espíritos", todos passados em Barcelona, cidade vista pelos olhos da personagem Daniel Sempere. Em Portugal, Zafón venceu com "A Sombra do Vento" o prémio literário do festival  Correntes d'Escritas.

O autor, nascido em Barcelona em 1964, vivia em Los Angeles, nos Estados Unidos, desde o início da década de 90. Foi educado num Colégio Jesuíta, cursou jornalismo, trabalhou em agências de publicidade e editou o primeiro romance, “O príncipe da neblina”, em 1993, tendo ganhado o Prémio juvenil Edebé.

Em Portugal, está publicada grande parte da obra do escritor catalão, incluindo ainda o romance "Marina" e os títulos "O Palácio da Meia-Noite" e "As Luzes de Setembro", também reunidos, juntamente com "O Príncipe da Neblina", na intitulada "Trilogia da Neblina", para leitores mais jovens.

Bárbara Cruz