Uma "forte explosão" causou "mortes e feridos" nas proximidades dos serviços de informação militar, em Damasco, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), após a televisão estatal síria referir que se trata de um "ato terrorista".

Segundo o diretor da organização não-governamental, Rami Abdel Rahmane, tratou-se de uma "forte explosão", da qual "ainda não está claro se foi causada por um engenho explosivo ou por um ataque suicida".

  • "Há pessoas mortas e feridas, mas não conseguimos verificar o balanço", disse Rami Abdel Rahmane à agência noticiosa francesa AFP.

"A explosão foi seguida de um tiroteio", declarou, acrescentando que os factos ocorreram perto de um escritório dos serviços de informação militar, no sul de Damasco.

Este é o primeiro ataque na capital síria em mais de um ano, segundo Rahmane.

O conflito, que assola a Síria desde 2011, já matou mais de 360 mil pessoas e levou milhões de pessoas a deslocarem-se internamente ou para o estrangeiro.

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, obteve vitórias sobre rebeldes e jihadistas, e agora controla dois terços do país, graças ao apoio militar de seus aliados, Rússia, Irão e os libaneses do Hezbollah.

O regime anunciou, em maio de 2018, que controla "totalmente" Damasco e os seus arredores pela primeira vez desde 2012, após expulsar os ‘jihadistas’ do Estado Islâmico (EI) do seu último reduto na capital síria, ao fim de um mês de combates.