Além dos efeitos imediatos na saúde pública, a pandemia de Covid-19 que, a esta altura, já afeta mais de 150 países, traz consequências para diversas áreas da sociedade. Mas um dos efeitos menos esperados na China foi o aumento dos pedidos de divórcio.

De acordo com o Global Times, em Xiam, a capital do noroeste da província de Xianxim, atingiu um número de pedidos de divórcio sem precedentes desde que abriram os estabelecimentos para registos matrimoniais, a 1 de março.

A 5 de março o estabelecimento de Beilin, em Xiam, já tinha recebido 14 pedidos de divórcio, atingindo o número máximo de pedidos que pode tratar.

Um porta-voz do instituto relacionou diretamente este fenómeno com o facto de muitos casais terem estado em quarentena, fechados nas suas casas mais de um mês, num ambiente propício a mais conflitos.

Porém, há outro fator importante a ter em conta, dizem os especialistas: o facto de os estabelecimentos terem estado fechados durante um mês também pode ter gerado uma acumulação de pedidos atrasados.

O que é certo é que esta é uma situação que se verifica em vários institutos de registos de Xiam, como é o caso do estabelecimento em Yanta. Um porta-voz deste escritório disse que “não haverá férias para tratar de pedidos de divórcio até pelo menos 18 de março”.

Ainda assim, alguns responsáveis alertaram que muitos casais têm avançado com os pedidos para depois arrependerem-se. Por isso, deixaram um apelo à população para que seja séria e prudente ao abordar este assunto.

/ SS