Ao fim de três semanas, o vulcão Etna voltou a entrar erupção, espalhando rapidamente uma grossa nuvem de fumo na parte oriental da ilha italiana da Sicília.

Por volta das 08:15 locais (menos uma hora em Portugal Continental), o vulcão voltou a ganhar atividade, naquele que é o 51.º evento registado este ano, um fenómeno comum na ilha, o que o torna bem diferente daquilo que se passa em La Palma, onde o vulcão Cumbre Vieja voltou a entrar em atividade ao fim de 40 anos adormecido.

A acompanhar a nuvem de fumo, uma grande cortina de cinzas voltou a elevar-se dos 3.300 metros do cume. Até ao momento várias localidades estão a ser afetadas pela visibilidade, entre as quais estão Fornazzo, Milo ou Mascali.

Poucos minutos depois da erupção, o magma começou a sair da cratera, levando a fortes explosões e à formação de rios de lava.

Ainda antes do regresso da atividade do Etna, os sismógrafos do observatório da região de Catânia registaram um aumento da atividade.

António Guimarães