O Ministério do Ambiente do Japão elevou para o nível máximo o alerta para o vírus da gripe aviária após confirmar a presença da estirpe altamente contagiosa H5N6 num charco localizado no sul do arquipélago e em várias aves mortas.

Desde 2014, é a primeira vez que Tóquio eleva o alerta para o nível 3, depois de a estirpe contagiosa ter sido detetada num charco em Izumi, na prefeitura de Kagoshima, na ilha meridional de Kyushu, confirmou um porta-voz do ministério à agência Efe.

O vírus da gripe aviária também foi detetado em dois cisnes mortos do zoológico de Akita, no norte da ilha principal de Honshu, que deram positivo num primeiro exame, levando o centro a sacrificar 132 aves.

O zoológico encontrou os dois cisnes mortos na semana passada e enviou-os para a Universidade de Hokkaido (na ilha setentrional homónima) para determinar se se trata da mesma estirpe (H5N6), detetada recentemente na Coreia do Sul, onde foram abatidas mais de 60 mil aves.

A universidade japonesa está também a analisar amostras de um cisne selvagem encontrado na localidade de Nakashibetsu, também em Hokkaido, no passado dia 07.

Além disso, o Ministério do Ambiente confirmou a presença do vírus em fezes de cerceta em Tottori, no oeste do país.

As autoridades estabeleceram um raio de observação de dez quilómetros em torno do local onde foram encontrados os restos infetados e enviou equipas especiais para estudar as probabilidades de contágio e a origem do mesmo no país asiático.