O principal suspeito do tiroteio de Utrecht, Gokmen Tanis, confessou o crime e disse que agiu sozinho, sem revelar a motivação, disseram, esta sexta-feira, as autoridades holandesas.

O porta-voz do Ministério Público holandês, Frans Zonneveld, disse, esta sexta-feira, que o suspeito de autoria do tiroteio confessou o crime, mas não revelou a motivação, mantendo-se em aberto a hipótese de ter sido um ataque terrorista.

Esta semana, um juiz ordenou que o suspeito, identificado pela polícia como Gokmen Tanis, de 37 anos, permaneça sob custódia por 14 dias, enquanto as investigações continuam.

O tiroteio, num carro elétrico no centro de Utrecht, na passada segunda-feira, fez três mortes e cinco feridos.