Um forte sismo com magnitude 6,4 registado, esta segunda-feira, na ilha filipina de Luzón, fez com que dois edifícios colapsassem, provocando cinco mortos.  

Em declarações à televisão filipina ABS-CBN, a governadora da província, Lilia Pineda, indicou que três corpos foram retirados dos escombros de um prédio na cidade de Porac, a cerca de 100 quilómetros a noroeste de Manila, na ilha de Luzón e ainda outros dois, de uma criança e da sua avó, na cidade de Lubao.

Os edifícios começaram por balançar, mas acabaram por demoronar. 

Lilia Pineda referiu ainda que o sismo provocou um corte de energia que está a dificultar o trabalho dos socorristas ao início da noite.

Segundo a ABS-CBN News, as autoridades já alertaram para possíveis atrasos no principal aeroporto de Manila e que a circulação de comboios se encontra suspensa. 

Os cidadãos foram aconselhados a abandonar centros comerciais, restaurantes, escritórios, hotéis e até as suas habitações.

Há ainda vídeos que mostram estradas que ficaram danificadas pelo forte sismo. Algumas casas e igrejas construídas com materiais menos resistentes, também acabaram por colapsar. 

Inicialmente, o balanço das autoridades não apontava para vítimas ou danos, nem para alerta de um possível tsunami.

O sismo ocorreu às 17:11 locais (10:11 em Lisboa) com o epicentro a uma profundidade de 40 quilómetros, indicou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Segundo a mesma fonte, o sismo atingiu a ilha filipina Luzón, localizada a cerca de 60 quilómetros a noroeste de Manila, capital das Filipinas.