Os 25 estrangeiros resgatados pelas autoridades brasileiras no litoral do Maranhão, no sábado, são provenientes de Serra Leoa, Nigéria, Guiné-Conacri e Senegal, e procuram uma melhor vida no Brasil, divulgou a imprensa brasileira.

Segundo o portal de notícias G1, dos 25 estrangeiros vieram de barco de Cabo Verde para o Brasil um é da Serra Leoa, dois da Nigéria, três da Guiné-Conacri e 19 do Senegal.

Em depoimento à Polícia Federal (PF), os imigrantes disseram que o barco partiu de Cabo Verde entre os dias 16 e 17 de abril.

Após uma viagem de 35 dias pelo Oceano Atlântico e terem ficado à deriva durante o percurso, os imigrantes resgatados no Maranhão contaram que vieram para o Brasil em busca de uma vida melhor devido à crise nos seus países de origem.

A embarcação foi resgatada com auxílio de pescadores na noite deste sábado (19), próximo ao município de São José de Ribamar, na região metropolitana de São Luís, capital do Maranhão.

O grupo dos 25 africanos - que pagou até 800 euros pela viagem para o Brasil, com promessa de emprego - está alojado no Ginásio Costa Rodrigues, no centro de São Luís. .

Até ao momento, os imigrantes passaram exames médicos de rotina, segundo o secretário de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves.

O secretário estadual também disse que os imigrantes devem ficar no alojamento até a próxima sexta-feira.

A previsão da Polícia Federal é que eles fiquem no até sexta-feira para passar por procedimentos administrativos. A PF recomendou que eles permaneçam no local até que se conclua o procedimento administrativo e defina a situação jurídica deles no país”, disse Gonçalves.

Além dos estrangeiros, dois brasileiros que estavam no barco foram detidos e encaminhados para o centro de triagem do presídio de Pedrinhas de São Luís com suspeita de serem intermediários no processo.

"A ideia era a entrada ilegal dessas pessoas em território nacional para finalidades diversas", afirmou o delegado Luís André Lima Almeida, chefe da delegacia de Imigração da Polícia Federal no Maranhão.

/ SS