O incêndio de grandes dimensões que deflagrou há duas semanas no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, causou pelo menos 83 mortos e 563 desaparecidos, indicaram na quarta-feira as autoridades norte-americanas.

O anterior balanço do incêndio, considerado o mais mortífero e destruidor da história da Califórnia, apontava para 81 mortos e 700 desaparecidos. No início da semana, o número de pessoas desaparecidas era de quase um milhar.

Os bombeiros têm já 85% do fogo controlado, de acordo com o Departamento Florestal e de Proteção de Incêndios da Califórnia.

O incêndio no condado de Butte, entretanto batizado de "Camp Fire", começou a 08 de novembro, queimou mais de 60 mil hectares e destruiu por completo a cidade de Paradise, de 27 mil habitantes.

As chamas destruíram 13.500 habitações, 500 lojas de comércio e continua a ameaçar mais de cinco mil estruturas.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, exortou na quarta-feira o Congresso a tomar medidas que "melhorem a gestão florestal e ajudem a prevenir incêndios", o que, defendeu, "colocaria um ponto final na constante devastação que ocorre na Califórnia".