Pelo menos seis pessoas morreram na quarta-feira depois de um carro do Governo haitiano ter perdido o controlo, dando origem a novos distúrbios na capital, onde decorrem já violentos protestos contra a corrupção e a impunidade.

O porta-voz da polícia, Michel-Ange Louis-Jeune, disse que uma das rodas do carro saltou, dando origem ao acidente. Mais tarde, manifestantes incendiaram o veículo.

O responsável disse desconhecer o número de vítimas, mas um jornalista da agência de notícias Associated Press (AP) no local contou os corpos de quatro homens e duas mulheres, no chão.

O acidente marcou o quarto dia de protestos no Haiti, que tiverem início no domingo com milhares de manifestantes a exigirem a renúncia do Presidente Jovenel Moise, e transparência no caso Petrocaribe, um programa venezuelano de energia subsidiada do qual o Haiti beneficia há 12 anos.

Num breve discurso, transmitido na noite de quarta-feira, Jovenel Moise disse que as pessoas têm o direito de protestar, mas garantiu que não vai deixar o cargo.

"O povo haitiano elegeu-me como Presidente, em eleições livres e justas", afirmou, acrescentando que os oponentes precisam de esperar pelas próximas eleições se quiserem tomar poder.

Os protestos contra a corrupção já causaram pelo dez mortos no país, de acordo com o último balanço das autoridades.

Escolas e escritórios do Governo permaneceram fechados na quarta-feira, assim como vários bancos e mercearias.