As autoridades de saúde italianas anunciaram este sábado que o número de vítimas mortais no país subiu para 32.735, tendo sido registados mais 119 óbitos nas últimas 24 horas.

Segundo a Agência de Proteção Civil, o número de pessoas infetadas com o novo coronavírus sofreu uma subida ligeira, comparativamente com sexta-feira: mais 669 casos desde o dia anterior.

Desde o início da pandemia em Itália, o terceiro país com mais vítimas mortais globalmente, foram registados 229.327 casos confirmados de infeção por Covid-19. 

A região da Sicília, no sul, não registou, pela primeira vez, qualquer caso de contágio desde sexta-feira, entre os 2.500 testes efetuados, e no Lazio (centro), com capital em Roma, apenas se registaram 18 novas infeções, o número mais baixo desde 10 de março.

Neste contexto, Itália prossegue o processo de levantamento gradual de algumas das restrições sociais e às deslocações de pessoas impostas a 10 de março em todo o território.

Atualmente, e desde 18 de maio, praticamente todos os setores produtivos e os negócios podem reabrir, sob medidas de segurança como o uso de máscara e a manutenção de uma distância social de pelo menos um metro.

Na segunda-feira abrem os ginásios e centros desportivos, com exceção dos situados na região da Lombardia, onde, por precaução, tal apenas acontecerá a partir de 01 de junho.

Relativamente à reabertura destes estabelecimentos, o Ministério do Desporto recomenda, entre outros aspetos, a redução da lotação dos ginásios, a desinfeção constante dos espaços e a instalação de caixotes do lixo para objetos potencialmente infetados, como lenços e máscaras.

É ainda recomendada a definição de zonas de entrada e de saída diferenciadas e é exigido o uso de luvas e máscara e a manutenção de uma distância de segurança de dois metros durante a prática de exercício, apelando-se a que não sejam partilhados os acessórios usados nos exercícios.

Os desportistas deverão chegar aos ginásios já equipados e não poderão partilhar objetos como secadores de cabelo ou garrafas.

Relativamente às praias, desde 18 de maio que em Itália é permitida a deslocação até à zona costeira, desde que tal não implique a travessia de uma região para outra e sejam cumpridas medidas de segurança como a proibição da prática de desportos e jogos em grupo e a imposição de um espaço de 10 metros quadrados para cada guarda-sol.

Apesar de as diferentes regiões terem determinado datas distintas de reabertura em função da sua situação epidemiológica, muitas concessões privadas ainda não abriram porque estão a preparar as respetivas infraestruturas.

Assim, se por exemplo em Emília-Romanha (no norte) foi determinada hoje a abertura das praias, nas Marcas (centro) tal acontecerá a partir do dia 29, nos Abruzos (centro) tal deverá acontecer a 01 de junho e na Apúlia já na próxima segunda-feira.

Segundo meios de comunicação locais, na praia de Mondello, em Palermo, a capital siciliana, um elevado número de pessoas estava hoje a apanhar banhos de sol na areia, apesar das normas locais apenas o autorizarem a partir de 06 de junho.

 
Henrique Magalhães Claudino / Atualizada às 19:48 com Lusa