O Governo búlgaro informou que o camião encontrado no sudeste de Inglaterra com 39 cadáveres no interior está registado na Bulgária, mas é propriedade de uma empresa detida por uma mulher de nacionalidade irlandesa.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros búlgaro precisou que o camião da marca sueca Scania está registado na cidade portuária búlgara de Varna, junto ao Mar Negro, mas essa será a única ligação ao país, onde não há registo de passagem do veículo desde 2017.

A polícia britânica informou, entretanto, que o camião entrou no Reino Unido na noite de terça para quarta-feira pelo porto de Purfleet, no rio Tamisa, procedente de Zeebruges, na Bélgica.

“Pensamos agora que o camião viajou de Zeebruges para Purfleet”, onde chegou por volta das 00:30 hora local (a mesma hora em Lisboa), indicou um comunicado da polícia de Essex, que anteriormente tinha avançado que o veículo teria entrado no país pelo porto de Holyhead (País de Gales), na costa oeste, que serve a cidade de Dublin (Irlanda).

A procuradoria federal da Bélgica avançou hoje à tarde que abriu uma investigação sobre este caso, uma vez que o veículo terá passado pelo território belga.

As autoridades belgas não deram pormenores sobre o trajeto presumivelmente feito pelo camião naquele país.

O camião, que transportava um contentor onde estavam os 39 cadáveres, foi encontrado hoje de madrugada na zona do Parque Industrial de Waterglade em Grays (condado de Essex), a leste de Londres.

A polícia, que foi chamada ao local pelos serviços de emergência, abriu uma investigação por homicídio.

Um homem de 25 anos oriundo da Irlanda do Norte que conduzia o camião foi detido sob a suspeita de homicídio, informou a polícia britânica.

O homem não foi formalmente acusado, nem identificado.

A polícia não ligou formalmente estas mortes ao tráfico de pessoas, mas as suspeitas apontam nesse sentido pela forma como as vítimas estavam amontoadas no interior do contentor do camião.