Dois manifestantes foram mortos esta quarta-feira em Lusaca, na Zâmbia, durante um comício em frente à sede da polícia onde o principal adversário do Governo, Hakainde Hichilema, foi ouvido, de acordo com um correspondente da AFP no local.

Várias centenas de pessoas estivam reunidas desde meio da manhã, quando a polícia de choque chegou.

Ouviram-se tiros e foi usado gás lacrimogéneo para dispersar a multidão, tendo ficado no chão, no meio de uma poça de sangue, os corpos dos dois homens, segundo o relato do jornalista da agência France-Presse.

Durante a dispersão com gás lacrimogéneo de uma multidão agitada, foi relatado que duas pessoas foram mortas a tiro em circunstâncias que ainda não foram estabelecidas", disse a polícia num comunicado.

O principal adversário do Presidente Edgar Lundu foi convocado pela polícia por razões ainda desconhecidas.

As autoridades tinham avisado que iriam lidar firmemente com os apoiantes de Hichilema, que juraram apoio ao líder.

À frente do Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional (UPND), Hakainde Hichilema é candidato pela 6.ª vez nas próximas eleições presidenciais agendadas para agosto de 2021.

Depois de perder por pouco em 2016 - e de passar quatro meses na prisão acusado de traição depois de contestar o resultado -, Hichilema conta com o descontentamento dos eleitores com o atual chefe de Estado, com as divisões internas do partido no poder e com a sua popularidade crescente.

/ HCL