A Câmara de Tui, província de Pontevedra, na Galiza, decretou esta quinta-feira três dias de luto pelas vítimas e pelos danos causados pela explosão, na quarta-feira, de um armazém de material pirotécnico "ilegal", situado na localidade de Páramos.

Em comunicado publicado no seu sítio na Internet, o município galego, situado na fronteira com Valença, no Alto Minho, adiantou que o luto começou hoje às 10:00 e vai vigorar até às 10:00 do dia 27.

Durante o luto, as bandeiras estarão a meia haste e estão suspensos todos os atos municipais.

No documento, o município adianta que irá prestar as suas condolências e solidariedade a todos os afetados pela "catástrofe".

A Guarda Civil de Pontevedra disse hoje à Lusa ter sido encontrada uma segunda vítima mortal da explosão, na quarta-feira, de um armazém de material pirotécnico de Tui.

Fonte daquela força policial referiu que se trata de um homem, que foi encontrado hoje de manhã pelos meios da proteção civil que procedem à remoção dos nos escombros causados pela explosão.

É o marido da senhora que foi encontrada [sem vida] ainda na tarde de quarta-feira. O casal tem dois filhos, rapazes, que foram acolhidos pelos habitantes da localidade", adiantou.

O armazém "ilegal" encontrava-se na localidade de Páramos, Tui, província de Pontevedra.

O proprietário do armazém de material pirotécnico que explodiu, na quarta-feira em Tui, Galiza, foi detido e vai ser presente ao juiz do tribunal local na sexta-feira, disse hoje à Lusa fonte da Guarda Civil de Pontevedra.

A mesma fonte adiantou que o homem, detido na quarta-feira à tarde, encontra-se nas instalações da Guarda Civil de Pontevedra a aguardar a conclusão do processo judicial para ser presente a tribunal".

De acordo com a fonte, "os bombeiros e a proteção civil estão hoje a realizar trabalhos de remoção dos escombros à procura de eventuais novas vítimas da explosão".

Aquela fonte revelou que " as autoridades desconheciam a existência daquele armazém ilegal", adiantando que "a fábrica, licenciada, do homem agora detido, está situada a cerca de dois quilómetros de distância".

A Guarda Civil adiantou que "é ainda desconhecida a identidade da vítima mortal, devido ao estado em que ficou o cadáver, mas tudo indica tratar-se de uma mulher".

Referiu ainda que "os 26 feridos resultantes da explosão foram encaminhados para o hospital de Vigo, sendo que a maioria teve alta hospitalar ainda durante o dia de quarta-feira" e disse "desconhecer a existência de desaparecidos".

O impacto do rebentamento destruiu cerca de 20 casas e provocou danos em mais de uma centena, tendo sido sentido a vários quilómetros de distância.