A União Europeia e o Reino Unido fecharam esta quinta-feira o acordo comercial que consuma o Brexit.

A informação está a ser avançada pelos meios de comunicação britânicos e acontece após uma reunião final entre Boris Johnson e a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

Finalmente chegámos a um acordo depois de um longo e árduo caminho. É um bom e justo acordo que é equilibrado e responsável para os dois lados", afirma Von der Leyen em Bruxelas.

De acordo com a presidente da Comissão Europeia, as regras de concorrência no mercado único continuarão a ser justas e as regras e padrões da UE serão cumpridas.

Possuímos ferramentas efetivas para reagir se a concorrência justa for deturpada e provocar impactos nas nossas trocas comerciais", afirma Von der Leyen, sublinhando que existirá cooperação entre a UE e o Reino Unido em matérias como a energia, os transportes e as mudanças climáticas.

Von der Leyen afirma ainda que o acordo assegura "total previsibilidade" para as condições piscatórias dos estados-membros.

Todo o debate foi centrado no tema da soberania, mas, de facto, o que é que a soberania significa no Século XXI?", interroga a presidente da Comissão Europeia, destacando que os cidadãos europeus podem continuar a trabalhar, viajar, estudar e negociar nos 27 países.

 

Precisamos de reunir as nossas forças e conversar porque, em momentos de crise, temos de puxar uns pelos outros, em vez de tentar ficar de pé sozinhos", afirma.

O chefe das negociações Reino Unido-União Europeia, Michel Barnier, garantiu que o acordo para as relações futuras é "um grande passo em frente". "Agora é a altura do Conselho Europeu e do Parlamento Europeu de o analisarem, antes de darem luz verde. A união a 27 na Europa manter-se-á como uma prioridade", escreve no Twitter.

O governo de Boris Johnson já lançou um comunicado: "Tudo aquilo que foi prometido ao público britânico durante o referendo de 2016 e durante as eleições gerais de 2019 foi cumprido neste acordo. Recuperámos o controlo da nossa moeda, das nossas fronteiras, das exportações e importações e da pesca".

O primeiro-ministro português reagiu também ao acordo alcançado, sublinhando que o Reino Unido "além de nosso vizinho e Aliado, é um importante parceiro".

Saúdo vivamente o acordo alcançado com o Reino-Unido que regerá a relação com a UE a partir de 1 janeiro. O RU permanecerá, além de nosso vizinho e Aliado, um importante parceiro. Agradeço a Ursula Von der Leyen, a Michel Barnier e a toda a Equipa Negociadora da UE pelo intenso trabalho", escreve.

A uma semana do final do “período de transição” para a consumação do ‘Brexit’ e da saída do Reino Unido do mercado único, o bloco europeu e Londres evitaram assim um ‘divórcio’ desordenado, estabelecendo um acordo de comércio livre que regerá as relações futuras.