A covid-19 e a cólera são desafios a enfrentar pela população do norte de Moçambique que, passado um ano, ainda tenta recompor-se dos estragos do ciclone Kenneth, além de enfrentar a ameaça de violência armada, destaca a Organização Internacional das Migrações (OIM).

"Ao mesmo tempo que ainda estão a trabalhar para recuperar, um ano depois do ciclone Kenneth, muitas famílias em Cabo Delgado são afetadas pela insegurança e chegou mais um desafio sob a forma da Covid-19", disse Laura Tomm-Bonde, representante da OIM Moçambique.

A declaração surge num comunicado distribuído na sexta-feira e que assinala a data de hoje - 25 de abril - em que se completa um ano após o ciclone Kenneth chegar a terra e matar 45 pessoas em Moçambique, afetando as vidas de cerca de 374 mil pessoas, segundo dados compilados pelas Nações Unidas.

"Estas famílias já eram muito vulneráveis", destaca. 

"Devemos continuar a trabalhar com urgência, em conjunto com o Governo de Moçambique e os parceiros humanitários neste período de alto risco para garantir que as comunidades vulneráveis tenham acesso aos serviços básicos essenciais e para reforçar as medidas de prevenção contra a propagação da covid-19", assinalou.

A província de Cabo Delgado tem a maioria dos atuais 65 casos da doença respiratória em Moçambique (sem mortes a registar), depois do surgimento de um primeiro caso no empreendimento de construção de um dos megaprojetos de gás natural da região.

Cabo Delgado é especialmente vulnerável ao contágio, nota a OIM, destacando que a região tem "uma das mais elevadas taxas de infeção pelo VIH em Moçambique", existindo "a preocupação de que a covid-19 seja difícil de controlar se se espalhar dentro dessas comunidades".

A província de Cabo Delgado também se situa ao longo de uma rota de migração internacional, com migrantes provenientes do Corno de África com destino à África do Sul

"Assim, a covid-19 em Cabo Delgado agrava outras vulnerabilidades. As famílias deslocadas vivem em espaços apinhados de famílias de acolhimento, o que pode colocá-las em maior risco de contágio. Isso torna o apoio da OIM ao abrigo de famílias deslocadas cada vez mais crítico", sublinha a organização.

Entre as formas de prevenção, a OIM tem equipado jovens voluntários com megafones e pulverizadores de mochila para desinfetar veículos de transporte público com água misturada com cloro.

Ao mesmo tempo, está a realizar ações de sensibilização em reuniões públicas e com mensagens em línguas locais como Macua, Muani e Maconde.

Por outro lado, a resposta de emergência à cólera atingiu o seu auge no primeiro trimestre de 2020.

A OIM ajudou as missões das autoridades de saúde a criar centros de tratamento da doença, espaços que avaliaram e ajudaram a tratar mais de 190 pessoas e chegaram a mais de 7.100 outras através de uma variedade de atividades de sensibilização.

Após a passagem do ciclone Kenneth, há um ano, a OIM e os parceiros forneceram ajuda de emergência imediata através do fornecimento de abrigos de emergência e artigos não alimentares a mais de 45.000 famílias - ajudas que incluíam lonas, conjuntos de ferramentas, cobertores e artigos de primeira necessidade.

A organização reequipou ainda sete edifícios públicos danificados por ciclones e prestou apoio à Coordenação e Gestão dos Campos de Deslocados.

O programa VIH/TB (tuberculose) identificou mais de 1.300 indivíduos cujo tratamento tinha sido interrompido, dos quais quase 700 foram reintegrados com êxito no tratamento.

O comunicado da OIM faz ainda referência à insegurança em Cabo Delgado, sem mais detalhes.

Cerca de 123.800 pessoas pedem bens alimentares

Cerca de 123.800 pessoas pedem bens alimentares, um ano depois de terem sido atingidas com a passagem do ciclone Kenneth, em 26 povoações no norte de Moçambique, indica um relatório de organizações humanitárias e da proteção civil.

"A alimentação é referida como a primeira necessidade, mais urgente, por 123.866 pessoas" em 26 localidades, lê-se num documento conjunto do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) de Moçambique e da Organização Internacional das Migrações (OIM).

O levantamento foi baseado em inquéritos feitos nos dias 27 e 28 de fevereiro e representa a mais recente recolha de dados publicada acerca das povoações afetadas nas províncias de Cabo Delgado e Nampula, por onde passou o ciclone que matou 45 pessoas.

Além dos alimentos, a segunda necessidade mais urgente destacada por 44.769 pessoas são bens não alimentares (recipientes, ferramentas) em 23 povoações.

Há ainda 59.209 pessoas a apontar como terceira carência mais urgente a necessidade de abrigo e habitação em 17 localidades.

Segundo o documento, nas 36 localidades que declararam ter sido afetadas, a maioria (61%) disse ter recebido 'kits' de abrigo, totalizando 65.794 pessoas, enquanto as restantes referiram não ter recebido aquele tipo de apoio.

Hoje, passado um ano, em todas as povoações é referido que a totalidade da população efetuou reparações, sendo que metade usou materiais dos 'kits' de abrigo para remendar parte das coberturas das casas.

A juntar às necessidades humanitárias provocadas por aquele desastre natural, a região tem assistido a um aumento da violência armada, classificada agora como uma ameaça terrorista externa, tudo num contexto mais restritivo devido à pandemia de covid-19.

O ciclone Kenneth formou-se seis semanas depois de o ciclone Idai ter devastado a região central de Moçambique, provocando 603 mortos, no único ano desde que há registos em que o país foi atingido por dois ciclones de categoria de destruição extrema.

Abateu-se sobre terra no final do dia 25 de abril, numa região pouco habituada a este tipo de fúrias naturais: foi o terceiro ciclone a formar-se na zona norte do Canal de Moçambique, no oceano Índico, desde que há registos por satélite, de acordo com a agência de meteorologia francesa Meteo France - sendo que os outros dois, Elinah em 1983 e Doloresse em 1996, não tocaram a costa africana.

Este tocou e embora o seu corredor de destruição fosse estreito, a sua intensidade foi muito alta, massacrando o meio rural, incluindo as ilhas Quirimbas.

Além das mortes, os ventos superiores a 200 quilómetros por hora e a chuva intensa - que persistiu nos dias seguintes - arrasaram aldeias inteiras, destruíram 55.500 hectares de terrenos agrícolas, arrancaram 100.000 coqueiros e cajueiros e destruíram equipamentos de pesca artesanal.

Foram perdas imensas para uma população que vive quase exclusivamente do que apanha da terra e do mar.

O ciclone provocou danos na rede de escolas e centros de saúde, mas no inquérito feito pelo INGC e OIM é indicado que a população já voltou a ter ao dispor os serviços que tinha antes da tempestade.

Um ano depois, Moçambique atravessou nova época das chuvas, mas sem ciclones.

A época chuvosa de 2019/2020 está a terminar, ainda assim com 57 mortes registadas e outras 191 mil pessoas foram afetadas, segundo dados do INGC.

Na região centro, ocorreram 41 mortes na província da Zambézia, oito em Sofala, duas em Manica.

A província de Maputo (Sul) registou quatro mortes e Niassa (Norte) duas.

Os dados, que analisam a situação do país entre outubro a março, indicam que maior parte das mortes (45) foi causada por descargas atmosféricas, estando os outros óbitos ligados ao desabamento de residências e afogamentos.

/ AM