A Índia registou, nas últimas 24 horas, quase 350.000 novos casos de covid-19, um número máximo a nível mundial, tendo as autoridades locais decidido prolongar o confinamento por mais uma semana na capital do país, Nova Deli.

O país registou ainda 2.767 mortes por infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, um novo máximo nacional desde o início da pandemia, segundo dados divulgados, este domingo, pela agência de notícias francesa France Presse (AFP).

O país, que tem uma população de 1,3 mil milhões de habitantes, está a braços com um surto epidémico terrível, com mais 349.691 novos casos registados este domingo, segundo dados divulgados pela agência de notícias francesa France Presse (AFP).

Devido a esta situação, o chefe do Governo de Nova Deli, Arvind Kejriwal, anunciou que foi decidido “prolongar o confinamento por uma semana", sublinhando que “a devastação do coronavírus continua e que não dá descanso."

Com uma população de 20 milhões de habitantes, Nova Deli é a cidade mais afetada pela epidemia.

Na passada segunda-feira foi decretado o confinamento numa tentativa de aliviar a pressão sobre os hospitais que enfrentam graves faltas de oxigénio.

A crise está mais uma vez a destacar a fragilidade do sistema de saúde da Índia e a ira das pessoas vai aumentando devido à alegada falta de preparação do Governo federal face a este surto epidémico.

A rede social Twitter confirmou, este domingo, que apagou, a pedido das autoridades indianas, dezenas de ‘tweets’ que criticavam o executivo.

Alguns ‘tweets’ eram de políticos da oposição em que denunciavam a falta de recursos em hospitais, onde doentes morreram devido à falta de oxigénio

Quando recebemos um pedido que é legalmente admissível, nós examinamo-lo através das regras do Twitter e das leis locais", explica o Twitter em comunicado.

Nos últimos sete dias, a Índia registou mais de dois milhões de novos casos, um aumento de 58% face à semana anterior, segundo dados compilados pela AFP.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.088.103 mortos no mundo, resultantes de mais de 145,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

/ NM